Topo
Tecfront

Tecfront

Categorias

Histórico

Como a Internet está reinventando a solidão

Carlos Affonso

29/08/2018 04h00

(Estamos cada vez mais conectados, mas também cada vez mais sozinhos. Imagem: Edward Hopper, "Morning Sun")

O Reino Unido anunciou no começo do ano a criação de um Ministério da Solidão. Muita gente achou graça do que parecia ser uma medida burocrática para combater um problema exclusivo do Primeiro Mundo. Nos Estados Unidos, 20% da população afirma sofrer com a solidão. No Reino Unido, essa é a situação de 1/3 das pessoas acima dos 50 anos.

Hoje sabemos que a solidão é o gatilho para uma série de problemas de saúde. Não é frescura, embora o tema ainda seja bastante delicado. Para muitos, assumir a condição de que se precisa de mais contato humano do que efetivamente se consegue ter é a maior das derrotas.

Mas como podemos estar tão sozinhos se vivemos na era da hiperconexão? Não deveria ser o contrário? Talvez a resposta esteja em uma das maiores ambiguidades do nosso tempo: a mesma tecnologia que nos conecta é aquela que está cada vez mais nos afastando.

A Internet ampliou a nossa capacidade de comunicação de forma inédita. Seja por vídeo, voz ou texto, estamos todos a distância de poucos cliques (ou toques). As redes sociais e os aplicativos de mensagem trataram então de consolidar os laços em grupos, comunidades e outras agremiações. Nunca estivemos tão próximos.

É, contudo, essa mesma tecnologia que está nos afastando cada vez mais do verdadeiro convívio com o outro. Um sintoma dessa verdadeira epidemia de solidão é a normalização da ideia de que, a todo momento, temos direito a ter uma experiência personalizada.

As redes sociais, nesse caso, deram uma forcinha para a criação desse hábito. Na busca por oferecer um conteúdo cada vez mais atrativo para os seus usuários, as empresas apostaram alto na customização da experiência. Quanto mais relevante for o conteúdo apresentado para a pessoa, maior será o tempo gasto na plataforma, clicando, interagindo e vendo anúncios.

Ficamos então acostumados com o fato de que tudo o que vemos foi selecionado previamente para atender os nossos gostos. O mesmo raciocínio vale para recomendações de novas músicas ou filmes compatíveis com as suas preferências nas mais diversas plataformas. O comércio eletrônico não fica atrás, com algoritmos cada vez mais sofisticados para sugerir produtos que se adequam ao nosso padrão de consumo e interesses. Até a pesquisa em chaves de busca na Internet pode ser customizada.

Com os aplicativos de mensagem instantânea a customização saiu da rede para entrar na vida. A aula está chata? Essa parte da reunião não interessa? Lembrou que precisa falar com alguém, mas infelizmente agora você está envolvido em uma outra conversa? Não tem problema! Basta pegar o celular e mandar uma mensagem ou ir ver o que está acontecendo no grupo de WhatsApp. Você pode!

O celular virou a rota de fuga para todo pequeno momento de tédio, aborrecimento ou que simplesmente parece não merecer a sua atenção integral. Essa fuga, pode não apenas pode ser desrespeitosa com o seu interlocutor, como também reforça a ideia de que, mesmo na companhia de outros, só prestamos atenção ao que nos interessa. Antes do celular, das redes sociais e dos grupos de WhatsApp, o escape da realidade era a imaginação, ir para o mundo da lua. Hoje nem mais esse esforço precisamos fazer. Personalizamos a vida, os relacionamentos e os momentos para que eles sejam apenas aquilo que nos interessa.

Faça o exercício: procure perceber quantos e quais são os momentos do seu dia em que você está em uma situação que demandaria atenção, mas que, naturalmente, o seu impulso é dar uma olhadinha no celular para ver se chegou algo novo ou para trocar uma mensagem (que parece ser mais útil, legal ou urgente do que está acontecendo).

Essa medida é a confirmação de um novo tipo de solidão. Esses contatos rápidos e rasteiros podem até nos conectar, mas eles parecem não estar preenchendo a nossa necessidade por companhia, escuta e afeição. A solidão reinventada tem também outros fatores que ajudam a montar esse mosaico, como a ascensão da inteligência artificial, a automação de serviços e o próprio ambiente por vezes hostil da rede, que mais afasta do que aproxima as pessoas. Cada um deles merecia um texto próprio, mas optamos por ficar por aqui com essa solidão escondida das mensagens instantâneas e das redes sociais.

O professor Nishant Shah chama esse fenômeno de solidão de Schrodinger. Inspirado no gato do paradoxo (que pode estar tanto vivo quanto morto dentro da caixa), na Internet estamos conectados e sozinhos. Para piorar a situação, os hábitos da vida online, como a personalização de tudo, parecem cada vez mais estar mudando o nosso comportamento fora da rede. Em nossas bolhas, compartilhamos a solidão.

Sobre o autor

Carlos Affonso é Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio) e professor da Faculdade de Direito da UERJ.

Sobre o blog

A Internet e as novas tecnologias estão transformando as nossas vidas. Mas quem decide se a rede será um instrumento de liberdade ou de controle? Esse é um blog dedicado a explorar os impactos da inovação tecnológica, sempre de olho nos desafios nacionais e na experiência de diferentes países em tentar regular uma rede global. As fronteiras da tecnologia você lê aqui.